BLOG - Prof. Vinicius

PEDAGOGIA É CIÊNCIA?

PEDAGOGIA É CIÊNCIA?

- por:

PEDAGOGIA É CIÊNCIA?

Não quero fazer aqui um estudo histórico muito complexo. Minha intenção é trazer informações pontuais a partir da visão crítica, e, principalmente, que podem aparecer no seu CONCURSO DE MAGISTÉRIO.
 
 

AH, NÃO SE ESQUEÇA DE CONFERIR O QUE TENHO PARA VOCÊ AO FINAL DO TEXTO!

 
 
Hoje, o que sabemos é que o curso de Pedagogia deve ter um forte referencial teórico acerca da educação para formar o profissional com competência técnica e compromisso político. Dessa forma, a Pedagogia precisa se constituir como uma ciência capaz de compreender amplamente o fenômeno educativo, suas finalidades e suas relações com as condições históricas que o instituíram.
 
Em contato com outras ciências, numa abordagem transdisciplinar, a pedagogia pode recorrer aos conceitos e métodos delas, porém, não pode deixar de consolidar o seu campo específico de pesquisa. Libâneo defende que a pedagogia é um campo de estudos com identidade e problemáticas próprias, possui caráter sociohistórico e investiga a finalidade e os meios de realização da educação, a fim de preparar os indivíduos para a vida social. (2017). Entende-se, então, que a ciência pedagógica pleiteia pra si ramos de estudos próprios dedicados aos vários âmbitos da prática educativa, como, por exemplo, teoria da educação, teoria do ensino, organização do trabalho escolar, etc., complementados com a contribuição das demais ciências da educação. Logo, a Pedagogia é uma ciência inserida no conjunto das ciências da educação e, algo muito interessante é que os conhecimentos obtidos das demais ciências (sociologia, psicologia, antropologia …), à medida que se referem ao fenômeno educativo, transformam-se em conhecimentos pedagógicos. Por isso falarmos em sociologia da educação ou psicologia da educação. (Libâneo, 2011, p. 140).
 
Algo muito importante é que a Pedagogia, no que diz respeito à oferta da formação ao profissional da educação, não pode se limitar a oferecer uma formação meramente técnica. Supera-se a racionalidade simplesmente técnica a partir da busca pela racionalidade prática, reflexiva, formativa e emancipatória. Quando a prática se fundamenta pela teoria, deixa de ser mecânica e repetitiva para se tornar formativa e libertadora (Franco, 2003). Nesse sentido, considerando que sem a teoria a prática resulta cega, Saviani (2008, p. 127) ensina que “quanto mais sólida for a teoria que orienta a prática, tanto mais consistente e eficaz é a atividade prática.”
Com base no que foi exposto, a pedagogia é uma ciência teórico-prática que, para Saviani (2008), estuda o processo de “mediação que permite a passagem dos educandos de uma inserção acrítica e inintencional no âmbito da sociedade a uma inserção crítica e intencional”.
 
Na mesma linha de raciocínio, Libâneo também entende que a pedagogia é uma ciência. Para ele,
 
a pedagogia é uma área do conhecimento que investiga a realidade educativa, no geral e no particular. Mediante conhecimentos científicos, filosóficos e técnicos-profissionais, ela busca a explicitação de objetivos e formas de intervenção metodológica e organizativa em instâncias da atividade educativa implicada no processo de transmissão/apropriação ativa de saberes e modos de ação (2011).
 
Ainda em Libâneo, com base em sua teoria crítico-social dos conteúdos,
 
o objeto de investigação da Pedagogia é a ação educativa, a qual visa investigar os fatores reais, necessários para a formação humana em seu desenvolvimento histórico, com objetivos sociopolíticos e formas de intervenção organizativa e metodológica do ato educativo. (2017).
 
Também, a Pedagogia
 
quer compreender como fatores socioculturais e institucionais atuam nos processos de transformação dos sujeitos e em que condições esses sujeitos aprendem melhor. Isso implica ações pedagógicas que não percam de vista a ideia de que a pedagogia lida com valores, objetivos políticos e ideológicos, bem como da análise dos fatores externos e internos da realidade escolar, e, ainda, se encontram determinadas por múltiplas relações e necessitam de outros campos de saberes. (2017).
 
No que diz respeito aos valores, objetivos políticos e ideológicos, é possível nos depararmos com pedagogias diversas, com características e propostas diferentes: pedagogia renovada, pedagogia liberal, pedagogia tecnicista, pedagogia libertadora, pedagogia histórico-crítica etc.
 
Na direção da criticidade e baseando-se nos estudos de Schmied-Kowarzik (1983), Pimenta (2011) defende o desenvolvimento da Pedagogia dialética, ou seja, a Pedagogia enquanto ciência prática da e para a práxis educativa. Para a autora (2011, p. 63)
 
A Ciência da Educação (Pedagogia) será dialética na medida em que, partindo do interesse libertário do conhecimento de uma teoria crítica da sociedade, voltado à emancipação e libertação dos homens (humanização), tornar possível a ela (a Pedagogia) a antecipação de uma práxis transformadora.
 
Logo, seus objetivos pedagógicos, nessa perspectiva, devem ser determinados da e para a práxis.
 
Como visto, a pedagogia é considerada pelos autores críticos como uma ciência imprescindível para o desenvolvimento da educação e dos processos formativos, tanto dos profissionais da educação quanto dos alunos. Aliás, reforça-se a ideia de que a pedagogia deve se constituir cada vez mais como ciência teórico-prática que tome como objeto de estudo o fenômeno educativo.
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
FRANCO, M. A Pedagogia como ciência da educação. Campinas: Papirus, 2003.
LIBÂNEI, J. C. Didática.  Editora Cortez. São Paulo, 2017.
PIMENTA, S. G. Pedagogia, Ciência da Educação? Editora Cortez. São Paulo, 2011.
SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat